• 09 Maio 2012
  • CBT
  • 1130

Congresso estimula trabalhos acadêmicos

“Sim, nós podemos fazer túneis.” Com este slogan, proferido por Tarcísio Celestino, ex-presidente do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT) e presidente da Comissão Organizadora do WTC 2014 (World Tunnel Congress), na abertura no 3° Congresso Brasileiro de Túneis (3° CBT), o CBT declarou apoio ao conhecimento da comunidade tuneleira brasileira. Estimulando não apenas o conhecimento prático, mas também teórico, o 3° CBT contou com dois espaços dedicados a trabalhos acadêmicos: as sessões Técnica e Painel. O 3º Congresso Brasileiro de Túneis foi realizado em São Paulo, entre os dias 20 e 22 de março de 2012, juntamente com o SAT’2012 – South American Tunnelling.

Entre os trabalhos inscritos, a Comissão Científica avaliou e escolheu os melhores de cada sessão. “Para avaliar, adotamos três critérios: a contribuição técnica para o meio tuneleiro, a estruturação do material e, por último, a apresentação do trabalho, fosse oral ou através do painel”, conta o membro da Comissão, Antonio Figueiredo. Na foto à direita, Antonio Figueiredo.
O maior desafio na seleção de trabalhos, segundo a Comissão Científica, foi a disparidade nos temas. “Como túneis é um assunto complexo, há uma multidisciplinaridade envolvida”, afirma André Assis, ex-presidente do CBT e da ITA e membro da Comissão Científica. “Além disso, tudo tem diferentes perspectivas: a do cliente, do projetista, do construtor, do operador e do usuário da obra pronta”. Na foto à esquerda, André Assis.
“A apresentação de trabalhos é a alma do Congresso”, diz Antonio Figueiredo. “O Congresso possibilita a existência de um fórum para que estes projetos desenvolvidos sejam apresentados e divulgados pelo meio técnico”.
André Assis considera também a apresentação de trabalhos uma ferramenta importante também é importante para a comunidade tuneleira. “É uma prática que cria referências dentro de nossa comunidade” afirma Assis. “Vamos aprendendo quem são aqueles que trazem aspectos consistentes e inovadores para as mais diversas possibilidades de soluções para o trabalho, que é construir túneis seguros, dentro de orçamentos e prazos competitivos”.
Vencedores
A sessão Técnica aconteceu nos dias 20 e 21 de março e teve mais de 15 apresentações. Nesta sessão, o Comitê de Trabalhos Científicos escolheu o material de maior destaque. O vencedor foi o trabalho escrito por Arsenio Negro, presidente da ABMS, ao lado de Marlísio de Oliveira Cecílio Junior, Vinicius M. Wedekin e Paulo Ivo B. Queiroz. O trabalho, intitulado Avaliação de risco da estabilidade de escavações de túneis em solo baseada na variabilidade de parâmetros geotécnicos, analisa a variabilidade de parâmetros geotécnicos como influência na probabilidade de ruínas de escavação.
Já na sessão Painel, que também aconteceu nos dias 20 e 21 de março, mais de 45 autores inscreveram suas produções. Nesta categoria de melhor trabalho, o prêmio ficou para os autores Prof. Eng. Gilberto Carbonari da Universidade Estadual de Londrina – Paraná, e os pesquisadores da Universidade Politécnica da Catalunha, Sérgio Henrique Pialarissi Cavalaro e Antonio Aguado de Cea. O trabalho Efectos estruturales durante la puesta em carga de dovelas em tuneles, estuda casos de danos estruturais nos anéis em serviço de tuneladoras. Este trabalho estuda o caso doo túnel da Linha – 9, em Barcelona, na Espanha.